Bilingual · Books/Livros · Conspicuous · Cultura · Toughts · Writing

Breaking the process

[ENG] Today, when looking for tips on writing to help new authors we have a lot of info-graphics and preconceived formulas. You name it and you will find it, structure, character arc, story type, etc… While some are helpful, like synonyms, I always take a step back. Isn’t writing suppose to be a creative endeavor? By looking into this information it seems that the exercise is less about conveying emotions and it resembles more a student repeating formulas in order to memorize them for class.

And then I read Slaughterhouse 5.

There, I faced an almost psychedelic experience were the long chapters, like the memory of our protagonist, struggle to find a logic sequence of ideas.

So, sometimes it’s better to throw caution out of the window and just go with your gut. By no means I say that every book should be like this one, it takes a fantastic storyteller to pull this off, but sometimes the best way to write is just to put words on the page.

What do you think?

L.T:Htlls

~*~ ~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~~*~

[PT] Hoje em dia, ao percorrermos os muitos sites e imagens que tentam ajudar os escritores novatos existem mil e uma fórmulas e info-gráficos. Sobre a estrutura, o arco de personagens, o tipo de história, etc… Embora alguns ajudem imenso, por exemplo sinónimos, fico sempre com um pé atrás.Não é suposto a escrita ser um desafio criativo? Ao olhar para toda esta informação parece-me que o exercício é menos sobre expressar emoções e assemelha-se mais a um aluno a debitar técnicas e fórmulas numa aula de memorização.

E depois li Slaughterhouse 5.

Aí, deparei-me com uma experiência quase psicadélica onde tínhamos capítulos longos que, como a memória do proagonista, debatiam-se com uma sequência lógica no encadeamento de ideias.

E lembrei-me que talvez o melhor seja mesmo esquecer todas estas ajudas e deixar que o ato da escrita seja o que for. Não digo que todas as narrativas devam seguir este exemplo, é preciso um nível elevado de domínio sobre narrativas para fazer algo assim, mas por vezes o melhor é mesmo escrever numa página em branco.

O que te parece?

L.T:Htlls

Advertisements

2 thoughts on “Breaking the process

  1. Eu que não sou muito de ter autores favoritos, confesso que guardo Kurt Vonnegut no coração. Quase tudo o que li dele até agora me deixa a cabeça a trabalhar, em bom. Adoro!! Esse livro é uma vertigem de diferente, e ainda o hei-de reler um dia.

  2. Estou muito curiosa para ler mais livros deste autor. É bom saber que ele tem mais livros que vão ser boas leituras.
    Obrigado pelo comentário. 😀

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s